CIDRA - Centro de Instrumentação Dosimetria e Radioproteção

 

    O Centro de instrumentação CIDRA foi  criado através da resolução 3318 de 19/12/86 pelo Reitor da Universidade de São Paulo junto ao Departamento de Física e Matemática da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto - USP.  

    Surgiu de esforços do  Prof. Dr. Thomaz Ghilardi Netto, que sentia a necessidade de uma maior interação universidade-comunidade, e se constitui em um centro interdisciplinar prestador de serviços à comunidade, com um perfil voltado a trabalhos na área de Radiação Ionizante e tem por finalidades regimentais:

I - Realizar pesquisas e desenvolver instrumentação aplicada a Física Radiológica e Bio-Medicina;

II - Aprimorar o ensino na área de Instrumentação, de Física Radiológica e Proteção Radiológica;

III - Aperfeiçoar o pessoal envolvido, inclusive credenciando-os para a realização de cursos de especialização;

    O regimento interno do CIDRA foi baixado pela portaria 08/87 de 16/03/87  publicada no diário oficial em 20/03/87 e modificado através de uma portaria D-12 de 18/05/99 e publicada no diário oficial de 19/05/99,  tem como atual coordenador a Profª. Drª. Patrícia Nicolucci,

    Ocupando uma área de 200 m2, construída com recursos da FINEP e oriundos de renda própria geradas de atividades desenvolvidas  pelos Professores Pelá e Thomaz, o CIDRA possui um laboratório de irradiação onde estão presentes  diversas fontes radioativas como: Cs137, Co60, Am-Be, Raios X de  potência e vários equipamentos de Raios X Odontológico entre outras fontes de menor atividade.     O CIDRA conta  ainda com laboratórios de instrumentação e dosimetria TLD.

    Está em processo de aprovação a construção de  novas salas de Irradiação totalizando cerca de 100 m2, anexo ao prédio do DFM, que possibilitará a utilização de fontes de alta atividade,  deverão ser construídas com recursos provenientes de renda própria será fundamental para o crescimento das atividades deste Centro.

    A mudança do prédio atual localizado nas dependências da FFCLRP para uma área de igual tamanho a ser construída nas dependências do DFM, é uma questão de tempo uma vez que já foi aprovada pelo FUNDUSP e está no aguardo da dotação orçamentária para tal.

   As instalações radioativas do CIDRA foram aprovadas pela CNEN em 1993  e no mesmo ano foi aprovado como laboratório de monitoração individual, sendo um dos dez laboratórios do Brasil credenciados para este serviço. Neste contexto concorre com várias instituições governamentais como IRD (RJ), IPEN (SP), CDTN (MG) e outras privadas.

    O laboratório de Dosimetria Pessoal conta hoje com 5 profissionais treinados localmente e que executam o atendimento a cerca 300 instituições totalizando 1900 usuários de monitores pessoais de radiação entre elas podemos citar: HC-FMRP; Hospital do Servidor Público Estadual e Municipal (SP); UERJ; Vale do Rio  Doce; Eletronuclear; AmBev entre outros, gerando receita para  as atividades de pesquisas desenvolvidas no CIDRA.

    No campo da assessoria, o CIDRA tem auxiliado várias indústrias da área de Radiação Ionizante em seus projetos entre as quais podemos citar : DABI ATLANTE (RP) e  GNATUS (RP), que tiveram o desenvolvimento de seus protótipos acompanhados pelo CIDRA, de forma a adequá-los às normas vigentes e ao mercado internacional. Não podemos deixar de destacar a importante participação do CIDRA na elaboração de Normas e Portarias junto ao Ministério da Saúde.

     O  desenvolvimento de  programas coletivos de pesquisa; novas tecnologias; treinamento técnico e assistência a alunos de graduação e pós-graduação; assessoramento a escolas, professores e alunos de primeiro e segundo graus; consultoria e serviços na área de Física Radiológica, tem dado ao CIDRA um destaque especial no contexto universitário atual, o qual tem valorizado a prestação de serviços à comunidade.

     Através de convênio celebrado com o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP, o CIDRA já colaborou na formação de 300 técnicos de raios-X e de 94 residentes de Radiologia. É importante ressaltar o fato de que o programa PADCT tem qualificado o CIDRA como um exemplo de sucesso, posto que em seus poucos anos de existência desenvolveu cerca de 19 protótipos de instrumentação para serem utilizados na área de controle de qualidade em radiação.

    O Centro mantém ainda um convênio com o Hemocentro do HC-FMRP para desenvolver um irradiador de sangue, este projeto está em andamento, juntamente com outros  como utilização de Ultra-Som para medidas de densidade ossea e aquisição e tratamento de imagens em tomografia.

    A interação com a MRA Indústria de Equipamentos Eletrônicos Ltda, empresa nascida como continuidade deste trabalho, possibilitou a transferência dos protótipos desenvolvidos no CIDRA através do projeto FINEP e o desenvolvimento e calibração de Detectores de Radiação (Geiger),  com  a substituição de equipamentos importados e gerando uma capacitação local. A interação com MRA viabilizou a contratação do pessoal para a execução do serviço de dosimetria pessoal do CIDRA sem que houvesse ônus adicional, possibilitando a execução deste serviço uma vez que existe dificuldade  de contratação de pessoal pela Universidade, o que tornaria inviável a prestação deste serviço. A MRA foi fundamental para a consolidação do serviço de dosimetria pessoal, já que o desenvolvimento dos suportes e a construção dos primeiros lotes foram feitos em suas dependências.

    Recentes estudos do Ministério da Saúde tem mostrado um grande déficit na balança comercial Brasileira na área médico - hospitalar, fazendo com que os financiadores de pesquisa como FAPESP e FINEP dirijam parte considerável de seus recursos a pesquisas que gerem um produto final comercializável. 

    Neste contexto, a MRA uma empresa voltada para a área de Física Médica, e que mantém um elo com alguns pesquisadores ligados ao CIDRA tem contribuído no trabalho de vários alunos e hoje é uma opção aos pesquisadores que fazem algum trabalho voltado para o mercado, recentemente submeteu um projeto à FAPESP no programa PIPE, voltado a  pequenas empresas com enfoque tecnológico tendo o prof. Thomaz como pesquisador responsável, cujo objetivo é o desenvolvimento de Detectores de Radiação. Este trabalho visará desenvolver sistemas de medida de  kVp e Câmaras de Ionização de tecnologia nacional e está sob julgamento.

    Em conjunto com a MRA outro projeto será submetido à FAPESP no programa PITE, que visa a promoção da interação Universidade-Indústria, financiando a fundo perdido a parte da Universidade, este projeto será encabeçado pelo Prof. José Fernando Colafêmina e visa o desenvolvimento de sistema para estudos de potencial evocado, fundamental para profissionais de Otorrino, Neurologia e áreas correlatas.

   Existem outras atividades no departamento que podem resultar em interações com a comunidade, neste aspecto, o CIDRA pode atuar como instrumento real que viabilize esta relação, fortalecendo o desenvolvimento da instrumentação em Física Médica.